Esportes

Cruzeiro vence Corinthians de novo e conquista o hexacampeonato da Copa do Brasil

O Cruzeiro é hexacampeão da Copa do Brasil!!! Em jogo que o VAR poderia ter atrapalhado a decisão na etapa final – o árbitro de vídeo marcou um pênalti inexistente para o Corinthians –, a tecnologia ajudou a anular o segundo gol do clube paulista e fez justiça. No campo, o time celeste venceu por 2 a 1, no Itaquerão, e faturou o sexto título, tornando-se o maior vencedor da história do torneio.

Robinho abriu o placar para o Cruzeiro aos 27 minutos do primeiro tempo. No início da etapa complementar, o Corinthians empatou em um pênalti que não houve assinalado pelo VAR. Aos 36, Arrascaeta saiu do banco de reservas para garantir o título e a vitória da Raposa em São Paulo, o quarto triunfo consecutivo do time celeste fora de casa na competição. Nas oitavas, bateu o Atlético-PR por 2 a 1. Nas quartas de final, fez 1 a 0 no Santos, mesmo placar sobre o Palmeiras nas semifinais.

Como venceu o primeiro duelo por 1 a 0 no Mineirão, a Raposa foi campeã ao ganhar por 3 a 1 no placar agregado.

‘Rei’ da Copa do Brasil, o Cruzeiro ultrapassa o Grêmio e se torna o maior vencedor do torneio nacional com seis títulos (1993, 1996, 2000, 2003, 2017 e 2018). Campeão em 2017, o clube estrelado também é o primeiro bicampeão da competição ao levantar a taça por dois anos seguidos.

Além do troféu, o Cruzeiro garantiu uma vaga na Copa Libertadores de 2019 e embolsou R$ 50 milhões.

Agora, o Cruzeiro volta a atenção somente para a reta final do Campeonato Brasileiro. No próximo domingo, às 19h, a equipe celeste recebe a Chapecoense, no Mineirão, pela 30ª rodada.

O jogo

O Cruzeiro começou a partida na defesa esperando o Corinthians, que não tinha criatividade para atacar e limitava-se a trocar passes no meio-campo. A partida não tinha emoção até os 20 minutos, quando, após falha da zaga paulista, Thiago Neves deu o primeiro chute a gol que foi defendido por Cássio.

O árbitro Wagner do Nascimento Magalhães não economizava nos cartões amarelos. Aos 25 minutos, três jogadores corintianos já estavam advertidos.

O jogo estava bem sem graça até os 27 minutos, quando o zagueiro Léo Santos errou próximo à linha lateral no campo de defesa do Corinthians. Rafinha roubou a bola e tocou para Barcos, na entrada da área. O argentino driblou o marcador e chutou na trave. No rebote, Robinho mandou para o fundo das redes. A vantagem celeste era ampliada e o hexa ficava mais perto.

Aos 33, Dedé quase fez o segundo do Cruzeiro. Após falta cobrada para a área, o zagueiro subiu muito e cabeceou na trave.

O time paulista respondeu na sequência e não empatou por muito pouco. Jadson cobrou falta pela direita e o zagueiro Henrique, livre de marcação, cabeceou firme no canto, mas bola passou à esquerda do gol de Fábio.

VAR entra em campo e quase atrapalha

Na etapa final, Cruzeiro e Corinthians voltaram com as mesmas equipes, mas um elemento importante entrou em campo: o árbitro de vídeo.

Aos cinco minutos, polêmica! Thiago Neves deu carrinho na área do Cruzeiro para tentar afastar a bola e Ralf caiu. No primeiro momento, o árbitro mandou o lance seguir. Mas chamado pelo VAR, o juiz reviu a jogada no vídeo e interpretou que o meia celeste atingiu o volante corintiano. Pênalti marcado. Na cobrança, Jadson balançou as redes empatando a partida.

A equipe celeste tentava mostrar que não se abalou com o gol de empate e partiu para o ataque. Thiago Neves cobrou falta, o jogador do Corinthians desviou errado e a bola sobrou para o zagueiro Léo na segunda trave. Ele chutou para o gol, mas Cássio defendeu quase em cima da linha.

Aos 24 minutos, o VAR entrou em ação novamente. Mas agora a favor do Cruzeiro. Pedrinho pegou rebote de fora da área e acertou um lindo chute no ângulo. No entanto, o árbitro de vídeo viu falta em Dedé no lance anterior quando o zagueiro celeste levou um tapa no pescoço. Wagner do Nascimento Magalhães foi rever a jogada na TV e anulou o gol corintiano frustrando a torcida alvinegra no Itaquerão.

O Cruzeiro ‘matou’ o jogo aos 36 minutos com dois jogadores que saíram do banco de reservas. Em rápido contra-ataque, Raniel, que havia entrado na vaga de Barcos, achou Arrascaeta livre – o uruguaio entrou no lugar de Rafinha. O meia avançou sem marcação e tocou na saída de Cássio. Era o gol da confirmação do título da Raposa.

Corinthians 1 x 2 Cruzeiro

Corinthians: Cássio; Fagner, Léo Santos, Henrique e Danilo Avelar; Ralf e Gabriel (Mateus Vital); Jadson, Emerson Sheik (Clayson) e Ángel Romero; Jonathas (Pedrinho). Técnico: Jair Ventura

Cruzeiro: Fábio; Edilson, Léo, Dedé e Lucas Romero; Henrique, Ariel Cabral, Robinho, Thiago Neves (Lucas Silva) e Rafinha (Arrascaeta); Barcos (Raniel). Técnico: Mano Menezes

Motivo: segundo jogo – final da Copa do Brasil
Data: 17 de outubro de 2018, quarta-feira, às 21h45
Local: Arena Corinthians, em São Paulo (SP)

Gols: Robinho (27’/1º), Jadson (pênalti – 9’/2º), Arrascaeta (37’/2º)

Cartão Amarelo: Ralf, Gabriel, Emerson Sheik, Fagner, Clayson (Corinthians); Rafinha, Thiago Neves, Robinho (Cruzeiro)

Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (RJ)
Auxiliares: Rodrigo Figueiredo Henrique Correa (RJ) e Bruno Boschilia (PR)
Árbitro de Vídeo: Wilton Pereira Sampaio (GO)

 

Fonte: Itatiaia www.itatiaia.com.br

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Close