Economia

Vale a pena aceitar salário menor em tempos de crise

Irene Azevedoh, consultora de carreiras, explica que o profissional deve avaliar a oportunidade de aprendizado para ter novas chances na carreira

A crise econômica refletiu no desemprego de mais de 13 milhões de brasileiros. Com o aumento de pessoas em busca de um emprego e com a tentativa de economizar custos, empresas tendem a diminuir os salários.

Devido à estimativa de postos de trabalhos fechados e uma oferta maior do que a procura no mercado de trabalho, profissionais acabam aceitando ganhar menos. Ao R7, Irene Azevedoh, diretora de transição de carreira e gestão da mudança da LHH, explica que o profissional deve levar em consideração o que o mercado pede.

— Com crise ou sem crise, o importante é sempre olhar para a capacidade que você tem de gerar receita. É bom garantir a trabalhabilidade e saber o que pode oferecer e também saber as demandas do mercado.

De acordo com Azevedoh, em tempos de crise, o profissional pode pensar mais no currículo e no aprendizado.

— Nesse momento, pensar no quanto o mercado pode me pagar não é o primordial. Se eu puder oferecer um serviço onde minhas habilidades são requeridas, onde vou aprender algo novo, alinhado isso com os meus propósitos, o que vai me pagar é circunstancial. Quando a economia estabilizar, mais lá na frente, posso voltar a receber mais.

Ainda segundo a especialista, a crise pode ser “uma grande oportunidade se a pessoa souber tirar proveito dela.”

Desemprego e a necessidade de gerar receita

Para Azevedoh, o desempregado aceita trabalhar em locais que não têm o seu perfil para conseguir pagar as contas no fim do mês.

— Quando está desesperado, tem dívidas e contas acumuladas para pagar, o profissional tem que ir atrás mesmo. Quando a pessoa não está recebendo nada, tinha um salário e não tem mais, é melhor aceitar um salário menor. Só que a pessoa não pode se pautar só pelo salário.

Porém, ela alerta que a escolha feita apenas visando o lado financeiro tem uma validade.

— Essa escolha só pelo salário é de curto prazo. Aceitar só pelo dinheiro, no cenário de vulnerabilidade em que estamos, a pessoa não tem sucesso. Isso porque o salário é algo negociável, já os valores, a ideologia, o que você gosta de fazer, é inegociável.

Salário negociável

Mesmo com a crise, porém, Azevedoh diz que salário é algo negociável.

— Numa economia de vulnerabilidade, as organizações reduzem mesmo os salários. Mas isso é negociável, as duas partes têm que estar dispostas a negociar. Dessa maneira, vale fazer um movimento e arriscar. Vale a pena ganhar menos se estiver fazendo algo que esteja alinhado com o que vai fazer com que eu cresça na minha carreira.

A especialista ainda declara que o importante é encontrar uma motivação.

— O primeiro fator que tenho que levar em consideração quando o salário é menor é aquilo que motiva. Essa motivação é intrínseca. Se conseguir um emprego que motiva, o sucesso é garantido. Com isso, o aumento de salário vem com o tempo. Mas é bom dizer que o preço do salário tem que ser justo e dentro do mercado.

O que levar em consideração

Na hora de aceitar a ganhar um salário menor, no entanto, o funcionário tem que considerar vários cenários.

— A primeira coisa que está em jogo é respeitar o que a própria pessoa que está procurando. Eu, como dona da minha carreira, tenho que pensar nela. Depois é preciso ver quem vai comprar esse meu serviço, se tem a mesma linha de pensamento. Tem que olhar fatores motivacionais, ideologia, ver se vai ajudar nas minhas habilidades profissionais e se vou tirar algum aprendizado.

Ainda de acordo com Azevedoh, uma carreira profissional é composta por erros e acertos.

— O medo nessa situação é uma realidade. Se estou numa posição em que estou aprendendo e motivado, tenho a certeza de que em breve consigo chegar no patamar em que estava. Se eu não conseguir um salário maior, é porque o mercado todo não conseguiu se recuperar. Mas, com certeza, isso vai mudar lá na frente quando a economia se recuperar. Não existe ninguém que tenha uma carreira sem erros. Se não errou, não tem carreira. Errar é uma chance de recomeçar.

Fonte: R7  www.noticias.r7.com

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Close