Esportes

Cruzeiro tem início avassalador, toma susto, mas vence Racing e garante liderança na Libertadores

Equipe celeste faz gols no início e dá o troco na equipe argentina no Mineirão

Após um início cambaleante, o Cruzeiro concretizou, na noite desta terça-feira, a reviravolta no grupo 5 da Copa Libertadores. Embalado por mais de 43 mil torcedores no Mineirão, o time celeste iniciou a partida contra o Racing de modo arrasador. Thiago Neves, de volta após se recuperar de lesão, e Lucas Silva, em belo chute de fora da área, abriram o caminho em apenas 10 minutos. Os argentinos diminuíram com Centurión, pressionaram no primeiro tempo e tentaram o empate até o fim do duelo. Mas os donos da casa souberam se defender e levaram a melhor. No final das contas, triunfo por 2 a 1 e liderança da chave garantida nos critérios de desempate.
As duas equipes terminaram a fase de grupos com 11 pontos conquistados. Os mineiros, porém, ficaram com a ponta por ter o melhor saldo de gols: dez contra seis dos argentinos. Cruzeiro e Racing aguardam o dia 4 de junho, quando sorteio da Conmebol definirá os confrontos das oitavas de final da Libertadores. Os últimos classificados ao mata-mata serão conhecidos nestas quarta-feira e quinta-feira, quando dez jogos serão disputados. A próxima etapa da competição colocará frente a frente os líderes contra os vice-líderes das chaves.
Antes de se concentrar na Libertadores – que só volta a ter jogos após a Copa do Mundo -, o Cruzeiro foca as atenções no Campeonato Brasileiro. O time celeste visita o Santos a partir das 16h deste domingo. O duelo, marcado para o Pacaembu, vale pela sétima rodada da Série A. O Racing, por sua vez, fez nesta terça-feira o último jogo do semestre.
Domínio e sustos no fim

Implacável, o Cruzeiro não deu tempo nem para seu torcedor aquecer a garganta na noite desta terça-feira. Logo aos 2’, na já tradicional marcação alta que executa no início das partidas no Mineirão, o time de Mano Menezes recuperou a posse de bola. Robinho lançou Sassá na direita, e o atacante fez função de assistente em cruzamento para área. Depois do bate e rebate na marca do pênalti, a bola sobrou para Thiago Neves. O meia, que retornou depois de se recuperar de dores na panturrilha direita, finalizou de forma precisa e correu para torcida para comemorar seu nono gol na temporada – ele é o artilheiro isolado da equipe na temporada. 1 a 0.

Juarez Rodrigues/EM/D.A Press

Enquanto o torcedor ainda explodia nas arquibancadas, Sassá quase marcava mais um para o Cruzeiro. Como quem ignora a importância de ritmo de jogo ou condição física, Thiago Neves deu lançamento na medida para o atacante. Na cara do gol, ele errou o chute. Depois do equívoco do camisa 23, a Raposa não demorou a ampliar o placar. Conseguindo fechar os espaços e mantendo a posse de bola no campo ofensivo, o time mineiro voltou a recuperar posse em erro da zaga do Racing. Autor do desarme, Lucas Silva fintou seu marcador e, aos 10′, acertou finalização rasteira, de fora da área, no canto direito de Juan Musso. 2 a 0. Foi o primeiro tento do volante desde que retornou do Real Madrid.

Juarez Rodrigues/EM/D.A Press
Precisando do resultado e claramente surpreendido pelo início arrasador do Cruzeiro, o Racing mudou a estratégia. Adiantou a linha de marcação e fez com que o jogo ficasse disputado em poucos metros do meio-campo. Encurtou a distância entre linhas e ajustou a marcação. Proporcionou algumas saídas rápidas do time de Mano Menezes, mas também passou a criar chances claras. Aos 27’ não desperdiçou. Solari fez jogada pela direita, cruzou para área, e a bola sobrou para Centurión. Livre, o camisa 22 marcou o primeiro dos argentinos. 2 a 1. Dez minutos depois, Fábio foi salvo pela trave em finalização de Solari. O avanço rival possibilitou contragolpes perigosos aos donos da casa. Em um deles, Sassá aproveitou rebote de chute de Arrascaeta e mandou para as redes. A arbitragem assinalou impedimento, de forma correta. Apenas três minutos depois, o uruguaio foi lançado e saiu na cara de Juan Musso. O goleiro foi mais esperto e desarmou o adversário, que desperdiçou uma chance incrível.
Pressão argentina e liderança garantida
Irritado, Mano Menezes se dirigiu aos vestiários do Mineirão antes mesmo do final do primeiro tempo. O treinador optou apenas pela conversa nos 15 minutos de intervalo. Sem alterações, o Cruzeiro voltou para a etapa complementar com a intenção de manter a posse da bola por mais tempo – ainda que apenas nos momentos iniciais. Não deu muito certo. O Racing avançou as linhas e apostou nas jogadas pelas pontas. Apesar da tentativa de pressão dos argentinos, foram os donos da casa que criaram uma boa oportunidade. Aos 13’, Arrascaeta puxou contra-ataque e encontrou Sassá no lado direito. O centroavante se enrolou com a bola, mas se livrou de três marcadores e finalizou – para a boa defesa de Musso.

As rápidas transições ofensivas das duas equipes, que originaram contra-ataques dos dois lados, deram lugar a um jogo mais cadenciado. Com 58% de posse até os 30’, o Racing rodava a bola de uma ala até a outra, mas enfrentava dificuldades para penetrar na zaga rival. Não à toa, Fábio pouco precisava intervir. O jeito, então, foi lançar bolas na área. E foi numa dessas que Leo, de carrinho, impediu a finalização dos argentinos. Aos 33’, um peixinho de Centurión obrigou o goleiro celeste a fazer uma boa defesa para manter a vantagem no placar.

Eduardo Coudet colocou Zaracho e Mansilla em campo. Pressionado pela eliminação na Copa da Argentina, o Racing partiu para cima para tentar retomar a liderança do grupo. Com isso, o jogo ficou mais aberto. Mas o ‘estilo Mano Menezes’ prevaleceu. O time celeste – que ainda perdeu grande chance com Raniel aos 45′ – manteve o 2 a 1 e garantiu a liderança do grupo 5 da Copa Libertadores.
CRUZEIRO 2 X 1 RACING
CRUZEIRO
Fábio; Lucas Romero, Dedé, Leo e Egídio; Henrique e Lucas Silva; Robinho (Bruno Silva, aos 26’2ºT), Thiago Neves (Rafael Sobis, aos 19’2ºT) e Arrascaeta; Sassá (Raniel, aos 32’2ºT). Técnico: Mano Menezes.
RACING
Juan Musso; Ivan Pillud, Miguel Barbieri (Lucas Orban, aos 39’2ºT), Alejandro Donatti e Alexis Soto; Diego González; Augusto Solari (Matías Zaracho, aos 27’2ºT), Neri Cardozo (Brian Mansilla, aos 36’2ºT) e Ricardo Centurión; Lisandro López e Lautaro Martínez. Técnico: Eduardo Coudet.
Gols: Thiago Neves, aos 2’1ºT, e Lucas Silva, aos 10’1ºT (CRU); Centurión, aos 27’1ºT (RAC)
Cartões amarelos: Augusto Solari, Diego González, Lautaro Martínez e Miguel Barbieri (Racing); Robinho, Leo e Lucas Romero (Cruzeiro)

Público presente: 43.276 torcedores
Público pagante: 38.564 torcedores
Renda: R$ 2.213.676,00
Motivo: 6ª rodada do Grupo 5 da Copa Libertadores
Local: Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Data e horário: 22 de maio de 2018 (terça-feira), às 21h30
Árbitro: Andrés Rojas (COL)
Assistentes: Alexander Gusman e Eduardo Diaz (COL)
Fonte: www.mg.superesportes.com.br

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Close