Esportes

Pressionado e com obrigação de vitória, Cruzeiro recebe a Universidad de Chile.

Raposa precisa ganhar nesta quinta para se manter na briga por classificação.

Só a vitória interessa ao Cruzeiro no confronto contra a Universidad de Chile, às 19h15 (de Brasília) desta quinta-feira, no Mineirão, pela quarta rodada do Grupo 5 da Copa Libertadores. Os maus resultados no começo da competição deixaram o clube celeste ‘refém’ de uma sequência perfeita para obter a classificação às oitavas de final.
Até aqui, o time de Mano Menezes somou apenas dois pontos: perdeu do Racing na estreia por 4 a 2, em Avellaneda (Argentina), e empatou sem gols com Vasco, em Belo Horizonte, e Universidad, em Santiago. Por causa do início complicado, a Raposa está em terceiro lugar na chave, com três pontos a menos que a vice-líder La U e a cinco do primeiro colocado Racing. O lanterna Vasco soma apenas um ponto.

Para subir à segunda posição do grupo, o Cruzeiro precisará vencer por dois gols de diferença. Nesse cenário, a equipe mineira levaria vantagem sobre a Universidad de Chile no saldo. Caso ganhe por apenas um gol, perderá no critério de desempate e entrará mais pressionada nos embates com Vasco, em São Januário, e Racing, em BH. Empate ou derrota complicará bastante a situação do time cinco estrelas.

Naturalmente, os torcedores cruzeirenses estão insatisfeitos com o rendimento da equipe e questionaram as escolhas do técnico Mano Menezes. O pedido é por um futebol ofensivo, de rápido toque de bola e muita criatividade. O Cruzeiro esteve longe dessas circunstâncias nos últimos confrontos. Tanto que não balança as redes há três partidas.

A expectativa, contudo, é que o cenário mude nesta quinta-feira. Principal esperança de gols, o meia Thiago Neves quer que todo o grupo esteja inspirado para conquistar a vitória. “Montamos um time para ser campeão da Copa Libertadores, e não apenas para vencer a La U. Todos precisam estar concentrados. Só assim vamos ganhar o jogo”.

Responsável por 22 dos 142 gols do Cruzeiro desde janeiro de 2017, Thiago deve atuar em sua posição de origem contra a Universidad. Numa resposta marcada pela sinceridade, o camisa 30 afirmou que sentiu dificuldades quando foi improvisado por Mano Menezes no ataque.

“Dificulta, porque não sou de jogar de costas, não gosto, prefiro vir de trás, organizando junto com Henrique, com Lucas (Silva), Ariel, Robinho. Gosto de tocar na bola o tempo inteiro, organizando o time. Quando vou à frente, é um pouco complicado, mas a gente vai, porque infelizmente um ou outro não está bem, o Mano prefere eu e o Arrascaeta. No ano passado em alguns jogos deu certo, alguns jogos deu errado também, mas o importante é estar dentro. Ali dentro de campo a gente se resolve, acha o posicionamento certo. Espero que na quinta-feira, independentemente da formação, dos jogadores que ele colocar, a gente consiga só jogar bem e conseguir essa vitória, que é importante”.

Time

Os dois treinamentos do Cruzeiro para enfrentar a La U foram fechados à imprensa. Mano, portanto, só liberará a escalação por volta das 18h15. Como a lista de convocados também não é divulgada, fica a dúvida sobre quem será escolhido pelo técnico. Cinco dos 23 prováveis relacionados terão de ser cortados de última hora. A Confederação Sul-Americana de Futebol permite que apenas sete atletas fiquem no banco de reservas.

Se Mano Menezes decidir manter um atacante de ofício como titular, a exemplo do que foi feito na derrota do último domingo para o Fluminense (1 a 0, pelo Campeonato Brasileiro), Sassá é o favorito a começar jogando, com Rafael Sobis sendo uma segunda alternativa. Nas beiradas de meio-campo, são três jogadores para duas vagas: Rafinha, Robinho e Arrascaeta. Também fica a dúvida na posição de volante, com Ariel Cabral, Henrique, Lucas Silva e até mesmo Lucas Romero podendo ser escalados.

Adversário

O lado da Universidad também é marcado pelo mistério. Sem o técnico Guillermo Hoyos, suspenso, os chilenos serão orientados por Gustavo Flores, preparador de goleiros do clube. A aposta da equipe é em atletas experientes, casos do goleiro Johnny Herrera (36), do zagueiro Gonzalo Jara (32), do lateral-esquerdo Jean Beausejour (33), do volante David Pizarro (38) e do atacante Mauricio Pinilla (34). Todos eles defenderam a Seleção Chilena.

“Temos um grupo de trabalho muito bom, muito idôneo. Obviamente, será diferente sem Guillermo, mas o trabalho está feito, os jogadores têm muita hierarquia, têm nome e são técnicos dentro de campo. Isso tornará as coisas mais simples para nós. Mas temos meios de dar as orientações de Guillermo. Estas situações foram trabalhadas”, declarou Flores.
Fábio; Edilson, Dedé, Leo e Egídio; Henrique e Ariel Cabral; Robinho, Thiago Neves e Arrascaeta; Sassá
Técnico: Mano Menezes

UNIVERSIDAD DE CHILE
Johnny Herrera; Christian Vilches, Rodrigo Echeverría e Gonzalo Jara; Matías Rodríguez, Lorenzo Reyes, David Pizarro e Jean Beausejour; Ángelo Araos, Yeferson Soteldo e Mauricio Pinilla
Técnico: Gustavo Flores (Guillermo Hoyos suspenso)

Motivo: quarta rodada do Grupo 5 da Copa Libertadores
Estádio: Mineirão
Data: quinta-feira, 26 de abril de 2018
Horário: 19h15 (de Brasília)
Árbitro: Roddy Zambrano (Equador)
Assistentes: Christian Lescano e Luis Vera (ambos do Equador)
Tags: Universidad de Chile La U libertadores2018 futnacional interiormg cruzeiro mineirão

Fonte: www.superesportes.com.br

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Close